Como saber se minha empresa está acima do limite permitido para as partículas totais em suspensão?

Atualizado: 16 de mai. de 2020


Já parou para pensar se as emissões de partículas em diversos processos produtivos estão ou não de acordo com o limite ambiental vigente, ou se sua empresa está atendendo a legislação?

Antes de descobrir sobre os limites permitidos para a emissão de partículas totais em

suspensão (PTS), é necessário que saibamos o que é e o porquê do monitoramento de qualidade do ar ser tão importante, além de entender sobre a norma que regulamenta os limites aceitáveis ou não, para este poluente.

 

A poluição atmosférica tornou-se um assunto de importância mundial que ganha cada vez mais destaque devido ao grande crescimento populacional, aos processos industriais, a automatização dos hábitos humanos, as queimadas anuais, entre outras atividades que afetam diretamente a qualidade do ar do lugar onde vivemos.

"A qualidade do ar pode até não trazer danos aparentes ou imediatos, mas está inteiramente ligada à nossa saúde e qualidade de vida."

Com tantos fatores, ficou evidente a necessidade de medidas regulamentares e a intervenção dessas atividades, para que pudessem garantir uma produção saudável.

Segundo o Ministério do Meio Ambiente a qualidade do ar é produto da interação de um complexo conjunto de fatores dentre os quais destacam-se a magnitude das emissões, a topografia e as condições meteorológicas da região, favoráveis ou não à dispersão dos poluentes.


O nível da poluição do ar é medido pela quantificação dos principais poluentes presentes no ar monitorado, os chamados Indicadores da Qualidade do Ar, que são comparados aos parâmetros de qualidade do ar. Considera-se poluente qualquer substância presente no ar e que, pela sua concentração, possa torná-lo impróprio, nocivo ou ofensivo à saúde, incômodo ao bem estar das pessoas, danoso aos materiais, à fauna e à flora ou prejudicial à segurança, ao uso e gozo da propriedade e às atividades normais das comunidades.


A qualidade do ar pode até não trazer danos aparentes ou imediatos, mas está inteiramente ligada à nossa saúde e qualidade de vida, bem como pode acarretar em custos a mais quando não existe o acompanhamento dessas emissões.


Quais os padrões exigidos?

Os Padrões Nacionais de Qualidade do Ar são parte estratégica do Programa Nacional de Controle da Qualidade do Ar – PRONAR onde faz parte a Resolução CONAMA Nº 491/2018 que estabelece os padrões de qualidade do ar e suas definições. Dentro dos limites estabelecidos na CONAMA temos o de partículas totais em suspensão como mostra a tabela a seguir:


Agora que você já sabe o que é e a importância da qualidade do ar bem como os padrões esta belecidos, como saber qual o nível de emissão da minha empresa?

Analisar, medir, comparar e remediar, são importantes para controlar e evitar possíveis impactos ambientais atmosféricos. Por isso a importância do monitoramento de qualidade do ar, que analisa a concentração do componente atmosférico numa área de influência em função de um conjunto de vários fatores. As amostras de PTS são coletadas utilizando o método do Amostrador de Grande Volume (AGV/Hi-Vol), conforme referências da norma ABNT NBR 9547:1997 – Material Particulado em Suspensão no Ar Ambiente - Determinação da Concentração Total pelo Método do Amostrador de Grande Volume.


Após este processo, a empresa especializada que realizou a análise, emitirá o laudo técnico onde constará o resultado da qualidade do ar nos pontos de monitoramento pré definidos, o que ajuda a entender se sua operação está ou não em conformidade com legislação.


O monitoramento de qualidade do ar é uma exigência presente na maioria das licenças emitidas onde existe uma periodicidade em que os relatórios devem ser apresentados. Fique atento às condicionantes da sua licença e níveis de emissão da sua empresa!


Ficou interessado em saber e monitorar suas emissões atmosféricas? Fale com nossos especialistas, ou conheça nossas soluções.

AIR Semear, engenharia aplicada ao desenvolvimento sustentável.

 

Referências:


CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Resolução nº 491, de 19 de novembro de 2018. Dispõe sobre padrões de qualidade do ar. Brasília, DF.

0 comentário